Arquivo da tag: johngreen

25 Days of Christmas #24

DSCF3980

  • Título: Deixe a Neve Cair
  • Autor: John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle
  • Editora: Rocco
  • Ano de lançamento: 2013
  • Número de páginas: 335
  • Nota: quatro estrelas

Penúltimo dia de 25 Days of Christmas! Difícil de acreditar que esse é meu último post, o clima natalino foi tão bom. Hoje vim trazer uma resenha do livro Deixe a Neve Cair, dos autores John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle. É uma coletânea de três contos natalinos que se interligam em certo ponto. Já havia lido esse livro ano passado e comecei a tradição com um amigo de todos os anos relermos, um conto no dia 23, um no dia 24 e um no dia 25.

DSCF3981

DSCF3983

É uma leitura super gostosa, confesso que havia comprado apenas pelo fato de o John Green ter escrito um conto, mas me surpreendi muito com a Maureen e a Lauren! Nunca havia lido nada dela,seus livros infelizmente ainda não foram publicados no Brasil, e adorei as histórias das duas, a da Maureen é a minha favorita, chamada “O Expresso Jubileu”. O livro inteiro tem um clima de felicidade, apesar das situações complicadas em que os personagens se metem. Ao final o leitor fica com um quentinho no coração.

Em nenhum dos contos tive a sensação de que o escritor estava correndo com a história por conta do número de páginas. Cada autor soube usar perfeitamente o espaço que lhe foi dado, escrevendo contos natalinos com começo, meio e fim, sem mais nem menos. Claro que todos são tão legais que eu ficaria completamente satisfeita se cada conto fosse um livro a parte.

DSCF3982

DSCF3988

Podem colocar Deixe a Neve Cair na sua lista de próximas leituras para o Natal de 2015, vale muito à pena. Bom, é só isso por hoje, até mais! /Jadeh

Anúncios

3 livros para te tirar da ressaca literária

Olá! Fiz um vídeo um pouquinho diferente, já que estou acostumada a fazer tags e vlogs, mas faz um tempo que estou na maldita “ressaca literária”. Justamente por isso tem saído poucas resenhas aqui no blog. Resolvi então fazer esse vídeo indicando três livros leves e que em algum momento me ajudaram a sair dessa ressaca, espero que alguns de vocês também possam ser ajudados com essas indicações.

É só isso por hoje. Até mais! /Jadeh

Epígrafes, uma coletânea

DSCF3777DSCF3775

Uma amiga muito querida recentemente me indicou um ótimo canal no Youtube chamado booksandquills.  Estava assistindo a alguns vídeos e me apaixonei por um chamado “epigraphs”, no qual a dona do canal lê algumas de suas epígrafes favoritas. Achei a ideia super interessante e resolvi fazer um post com a mesma proposta também (colocando os devidos créditos, obviamente), e formar assim minha própria coletânea de citações. Lembrando que elas não estão em ordem de preferência! Uma definição rápida antes de iniciar a postagem:

Epígrafe é uma citação literária que vem antes do início da história de fato.

DSCF3783DSCF3785

1 – A Terra Inteira e o Céu Infinito, de Ruth Ozeki:

“Um velho Buda uma vez falou:

Para o ser-tempo, parado no cume da montanha mais alta, 

Para o ser-tempo, nadando no leito mais fundo do mar,

Para o ser-tempo, um demônio com três cabeças e oito braços, 

Para o ser-tempo, os cinco metros de ouro do corpo de um Buda, 

Para o ser-tempo, o bastão de um monge ou o espanta-moscas de um mestre, 

Para o ser-tempo, um pilar ou um farol, 

Para o ser-tempo, qualquer José ou Maria, 

Para o ser-tempo, a terra inteira e o céu infinito.”

– Dogen-Zenji, “Para o ser-tempo”.

Acho essa epígrafe lindíssima. É um poema oriental que vai ser tratado de forma indireta durante todo o livro. O que o autor quis dizer nesses versos? Todos nós somos seres-tempo. Pilares, faróis, Josés ou Marias – tudo o que nos cerca faz parte de uma unidade, e todos somos seres- tempo.

DSCF3787DSCF3790

2 – Príncipe Mecânico, de Cassandra Clare:

“Quero que saibas que tu fostes o último sonho da minha alma…Desde que te conheci, tenho sido atormentado por um remorso que pensei que nunca censuraria novamente e ouvi sussurros de velhas vozes impelindo-me para cima, as quais achei que tivesse silenciado para sempre. Tive ideias imaturas de me empenhar novamente, começar de novo, me livrar da preguiça e da sensualidade, e lutar a luta abandonada. Um sonho, tudo um sonho, que vai dar em nada…”

– Um Conto de Duas Cidades, de Charles Dickens

Sou uma romântica incurável, isso é um fato comprovado. Essas frases do Charles Dickens resumem de forma primorosa o que é estar apaixonado. Quando tem-se esse sentimento, há uma vontade inexplicável de se tornar uma pessoa melhor, de fazer coisas melhores, pois é como se a pessoa amada nos desse forças para tal e não é algo que se possa controlar, apenas acontece. Na minha opinião, Will, um dos protagonistas de As Peças Infernais, e seus sentimentos pela Tessa são perfeitamente sintetizados nessa citação de Dickens. Cassandra acertou em cheio quando escolheu a epígrafe.

DSCF3791DSCF3794

3 – A Cabeça do Santo, de Socorro Acioli:

“Se soubesses as coisas em que acredito, olharias para mim como se eu fosse, sozinha, um grande circo de monstros.”

– José Eduardo Agualusa

Essa foi uma das citações que mais me deixou sem reação. Eu li e simplesmente travei. Pensei “sim, é exatamente isso!”. Em uma frase, Agualusa conseguiu traduzir um forte aspecto humano. Nossos pensamentos são, em grande parte, suprimidos diariamente. Simplesmente não há como verbalizá-los, pois podem ser fortes e aterrorizantes demais até para nós mesmos.

DSCF3798DSCF3800

4 – Coraline, de Neil Gaiman:

“Contos de fadas são pura verdade; não porque nos contam que dragões existem, mas porque nos contam que eles podem ser vencidos.”

– G. K Chesterton

Histórias tem diversas funções, essencialmente ligadas ao ato de nos ensinar a viver da melhor forma possível. Contar histórias utiliza de ferramentas para nos ajudar a encarar desafios, sermos tolerantes, adquirirmos conhecimento. Em Coraline, um livro originalmente voltado ao público infantil, a maior mensagem passada por Gaiman é de que é possível encarar nossos medos e ultrapassá-los, que eu acho que é uma das mensagem essenciais a serem transmitidas a uma criança. É uma lição que ela levará para a vida toda.

DSCF3802DSCF3803

5 – A Culpa é das Estrelas, de John Green:

“Enquanto a maré banhava a areia da praia, o Homem das Tulipas Holandês contemplava o oceano:

– Juntadora treplicadora envenenadora ocultadora reveladora. Repare nela, subindo e descendo, levando tudo consigo.

O que é? – Anna perguntou.

– A água – respondeu o holandês – Bem, e as horas.”

– Peter Van Houten, “Uma Aflição Imperial”

Eu sei que já falei um milhão de vezes sobre esse livro aqui no blog, mas é que simplesmente não posso deixá-lo de lado! Mas bem, vamos nos concentrar na epígrafe, que na verdade às vezes acho que é algo deixado de lado por boa parte do público leitor, e nessa obra específica é extremamente importante. Esse trecho de um livro fictício transmite boa parte de uma das maiores mensagem de “A Culpa é das Estrelas”, e ela pode ser interpretada de tantas formas diferentes, e isso é o que eu acho o mais legal. Metáforas podem conter mil significados em uma mesma frase.

Se alguém tiver interesse em assistir ao vídeo da booksanquills no qual peguei a ideia para o post, é só clicar no play aqui embaixo.

Bom, é isso. Até mais! /Jadeh